“Bancada evangélica também defende as mulheres”, diz Rosinha da Adefal - Jesus Aqui

Header Ads

  • Últimas Notícias

    “Bancada evangélica também defende as mulheres”, diz Rosinha da Adefal


    Deputada diz que mulheres ainda têm muito a conquistar na luta pelos seus direitos

    Quando se fala em bancada evangélica, a imagem mais comum talvez seja de algum  pastor com a Bíblia na mão. Porém, no grupo diverso que faz parte da Frente Parlamentar Evangélica estão pessoas como a deputada Roseane Cavalcante de Freitas Estrela, mais conhecida como Rosinha da Adefal (Avante/AL).

    Cadeirante, ela vive no cotidiano as dificuldades dos deficientes físicos no Brasil. Evangélica, ela se junta aos parlamentares cristãos em combates a questões como aborto e os ataques aos valores da família. Pode falar com autoridade sobre a maneira como algumas informações são distorcidas e usadas como parte de uma agenda que não valoriza a vida desde o útero.

    Nos últimos anos o Brasil tem discutido a possibilidade de o STF autorizar o aborto de crianças com má formação, em casos de mães infectados com o zika vírus, por exemplo. Rosinha é um exemplo de superação e ela chama atenção para o que chama do “perigo da eugenia”. “É uma seleção não natural de crianças com deficiência”, assegura.

    Defensora também dos direitos da mulher Rosinha concedeu uma entrevista ao Portal Gospel Prime, onde testemunha que, apesar das dificuldades, Deus sustenta os seus.

    Rosinha diz que, apesar de serem igualmente criadas por Deus, muitas vezes as pessoas deficientes sofrem com a “invisibilidade social”. Também acredita que as mulheres ainda têm muito a conquistar na luta pelos seus direitos. Como parlamentar, ela está engajada para que a sociedade brasileira cada vez mais possa se tornar igualitária. Para ela, essa também é uma luta da bancada evangélica.

    Fonte: Gospel Prime


    Nenhum comentário

    Mongólia, a “arma secreta de Deus”

    Projeto missionário brasileiro investe na evangelização, discipulado e treinamento dos mongóis nômades. Quem diria que um país de hábit...

    Post Top Ad

    Post Bottom Ad